Tong Ying-kit, de 24 anos, hasteou uma bandeira negra numa moto, na qual se podia ler “Libertem Hong Kong: revolução do nosso tempo”, o tribunal concluiu que se tratava de uma tentativa de incitar à secessão.