Empresa russa Nornickel reconheceu que uma das suas fábricas de enriquecimento de minério efetuou uma descarga de águas residuais no Ártico, que terá originado "um foco de poluição sem precedentes", segundo as autoridades locais.