Milhares de franceses saíram à rua, este domingo, para protestar a morte de Samuel, um professor decapitado por um estudante islâmico, depois de ter mostrado à turma caricaturas de Maomé.