Ausência de atividade humana parece ter ajudado a fomentar o desenvolvimento da flora e da fauna, na Zona de Exclusão de Chernobyl. Os cientistas têm aproveitado esse desenvolvimento para ajudar a purificar o solo e as águas.