Grupo de manifestantes apelou a que os médicos deixem de realizar abortos, alegando para isso “objeção de consciência” e que que a eutanásia continue a ser proibida em França.