Nesta prisão de Quenzon, estão 4.000 reclusos que são vigiados por 20 guardas. As condições estão cada vez piores, com o governo a não conseguir responder ao grande aumento do número de detenções, resultante da grande operação de combate ao tráfico de droga, iniciada pelo atual presidente.