Varsóvia e Cracóvia foram palco de várias manifestações e vigílias, após ter sido conhecida a história de Izabela, já considerada a primeira mulher a morrer como uma consequência direta da alteração feita à lei do aborto polaca.