Os registos foram captados através de uma investigação da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), no Brasil. Através de um microscópio de alta resolução, as imagens são ampliadas até 200 mil vezes, o que permite ter uma observação impressionante do vírus por dentro.