Didier Deshamps, selecionador de França, diz que compreende a decisão de Zinedine Zidane em deixar o Real Madrid e garante que não sente o seu posto ameaçado, embora esteja convencido que, mais tarde ou mais cedo, o antigo companheiro de seleção vai chegar ao comando dos «Bleus».

«É uma decisão dele, respeito-a. Conhecendo bem Zizou, tenho a certeza que refletiu longamente e está convencido que tomou a melhor decisão para ele. Tendo em conta tudo o que ele fez nos últimos três anos, foi fantástico, para ele e para o seu clube. Não estou na posse de todos os pormenores, mas posso compreender que tenha tomado esta decisão», comentou o selecionador francês à margem da conferência de imprensa de antevisão do jogo da França com a Itália.

O facto de Zidane estar livre, pode vir a ser um fator de pressão sobre Deschamps. «Sinceramente para conseguirmos qualquer coisa de suplementar, temos de ter sempre pressão. Colocaram-me a mesma questão antes do Mundial 2014, antes do Euro 2016, estou em comunhão com o meu grupo para um objetivo preciso, a minha energia está focalizada num acontecimento maior. Depois vamos ter um pós-Mundial, mas não estou a pensar nisso. Estou concentrado e focalizado naquilo que me espera com este grupo de jogadores», comentou.

Mesmo assim, poderá ser Deschamps a entregar as chaves da casa dos Bleus a Zidane. «Não tenho as chaves, não sou o detentor das chaves, é o meu presidente, não sei o que ele vai decidir. Penso que nesta altura ele [Zidane] vai querer descansar, estar com a família, dos que lhe são próximos. Certamente, haverá um momento em que será selecionador. Quando? Não sei dizer, mas parece-me lógico, vai acontecer quando tiver de acontecer», referiu ainda.