A empresa detida por Manuel Fino é para já a única portuguesa na corrida a esta obra, na qual pretende participar em consórcio. Este só começará a ser formado quando terminar a fase em que são escolhidas as empresas que poderão concorrer, avança o «Diário Económico».

As propostas serão entregues no início de Maio e os resultados serão conhecidos no Verão, explicou ao Diário Económico o CEO da Soares da Costa, Pedro Gonçalves.

A obra consiste na ligação de Dublin ao aeroporto, uma linha com 18 quilómetros que transportará 34 mil pessoas por ano.

Em cima da mesa está ainda outra linha do mesmo metro, que de acordo com a empresa responsável pelo lançamento do concurso, a Railway Procurement Agency, ainda está em fase de definição do traçado da linha.

«A experiência que acumulámos no metro do Porto pode ser benéfica para participar neste tipo de projectos», disse Pedro Gonçalves, CEO da construtora que integra o MTS, consórcio vencedor para a construção e exploração do metro de Telavive, uma obra avaliada em 1,7 mil milhões de euros.

Esta encontrava-se parada devido a uma providência cautelar entregue pelo Metro Rail, o consórcio que perdeu a adjudicação liderado pela construtora francesa Vinci, mas, segundo Pedro Gonçalves, o tribunal decidiu a favor do MTS e a obra está agora pronta para avançar.

Na área das concessões e a nível internacional, a Soares da Costa está interessada em concorrer a auto-estradas nos Estados Unidos e vai também concorrer ao aeroporto de Amã, na Jordânia, obra orçada em 500 milhões de euros e cuja proposta será apresentada no final do mês de Abril.