A TAP e a SATA repartiram nos últimos anos o exclusivo das carreiras aéreas entre o arquipélago e o exterior, vencendo os concursos públicos de atribuição das respectivas rotas abertos pelo Governo, lembra a Lusa.

Com a entrada em vigor em Janeiro de um novo modelo para as ligações ao arquipélago, em que as companhias deixam de receber compensações do Estado passando as ajudas a ser atribuídas ao bilhete, as duas transportadoras perdem o exclusivo das carreiras que passam a poder ser exploradas por qualquer companhia europeia.

O novo modelo proposto pelo Governo e que aguarda ainda a ratificação de Bruxelas impõe, porém, um conjunto de regras obrigatórias para quem pretender operar nessas linhas. As empresas que pretendem entrar na operação terão, nomeadamente, de garantir um preço único para todos os açorianos residentes, seja qual for a ilha em que vivam, nos voos para o exterior, um número mínimo de voos e ligações para cinco das nove ilhas do arquipélago - S.Miguel, Terceira, Faial, Pico e Santa Maria.

Em declarações à Agência Lusa o presidente da SATA, António Cansado, justificou o provável acordo com a TAP com as vantagens comparativas que uma operação conjunta oferecerá.

Além de garantir melhores condições de concorrência com outros eventuais candidatos, o acordo de «code share» em estudo com a TAP assegurará à população dos Açores o alargamento da oferta em termos de voos de ligação, precisou.

António Cansado disse esperar que Bruxelas aprove o modelo proposto por Lisboa pela menos até final de Agosto, sublinhando que se este calendário não for cumprido a sua empresa sairá prejudicada.

Na certeza de que continuará a voar para as ilhas seja qual for o modelo adoptado, a SATA está a negociar por sua «conta e risco» acordos com operadores turísticos para evitar que os atrasos no processo penalizem o turismo regional, referiu.

Segundo explicou o acordo a estabelecer com a TAP surgirá como uma «extensão» da operação conjunta que envolve as duas companhias nos voos entre Lisboa e Funchal.

Em declarações recentes uma porta-voz da Air Luxor garantiu que com a «liberalização controlada» das carreiras para os Açores a companhia também passará a voar para as ilhas a partir de Janeiro.
Redação / MF