Depois de ter retirado Portugal da lista de países seguros, o Reino Unido apela aos seus cidadãos que, este ano, façam férias "em casa". Todos os cidadãos que decidam viajar para destinos que não são considerados seguros serão obrigados a fazer quarentena no regresso.

Em entrevista à Sky News, o ministro do Ambiente do Reino Unido, George Eustice, encorajou os britânicos a visitarem os "ótimos locais" que o país tem para oferecer. E adiantou ainda que vai ser uma das pessoas que não vai fazer férias no estrangeiro.

Eu vou ficar em casa. Não tenho qualquer intenção de viajar ou de fazer férias for a do país este verão", afirmou o governante.

 

Algumas pessoas podem fazê-lo, mas elas têm de perceber que há, obviamente, riscos em fazê-lo por causa desta situação dinâmica. Mas eu acho que a maior parte das pessoas vai decidir ficar este ano em casa", considerou.

Recorde-se que o Reino Unido apenas aconselha a que se façam viagens essenciais.

Na passada quinta-feira, o Ministério dos Transportes britânico anunciou que Portugal, incluindo os arquipélagos da Madeira e Açores, iam deixar a 'lista verde' de viagens internacionais do Governo britânico na terça-feira às 04:00.

Segundo o ministério, Portugal passa para a 'lista amarela' para "salvaguardar a saúde pública contra variantes preocupantes" e proteger a o programa de vacinação britânico.

Num comunicado, o Governo britânico referia que, de acordo com a base de dados europeia GISAID, foram identificados em Portugal 68 casos da variante B1.617.2, identificada pela primeira vez na Índia, denominada pela Organização Mundial de Saúde por variante Delta, "com uma mutação adicional potencialmente prejudicial".

A decisão apanhou os turistas britânicos em Portugal desprevenidos, o que provocou, durante todo o fim-de-semana, longas filas no aeroporto de Faro.

Lara Ferin