A Guarda Nacional Republicana encontrou uma bota e uns calções de criança a 1300 metros do local onde foi encontrado a t-shirt de Noah, o menino desaparecido desde quarta-feira em Proença-a-Nova. As autoridades sublinham que a outra bota do menino de dois anos continua por encontrar.

Cerca de 127 efetivos, ‘drones’ e equipas cães farejadores, encontram-se a trabalhar no terreno para encontrar o bebé.

Confirmamos que a cerca de 1300 metros do local onde foi encontrada a t-shirt da criança foi novamente encontrada umas botas e uns calções", disse o Capitão Jorge Massano, da GNR, salientando, mais tarde que ainda falta encontrar uma das galochas que o menino tinha vestido.

Em conferência de imprensa, Massano sublinhou que as pegadas da criança estavam em direção a leste, "seguindo esse vetor, encontraríamos um percurso de água".

É precisamente no setor onde foram detetadas os artigos de roupa de criança que está a existir neste momento um reforço das buscas, "com batimento de automóveis de fora para dentro". Também existiu um novo alargamento do perímetro a 20 quilómetros de raio.

Através de veículos 4x4 e de motociclos, definimos um perímetro exterior do qual vamos começar a fazer uma busca auto, do qual vamos começar a fazer uma busca de caminhos por maior acesso e que irão ao encontro dos militares que prosseguem a operação a pé", disse a GNR.

Neste momento, existem 12 voluntários civis no terreno, e quem se quiser juntar nas operações deve demonstrar a sua intenção no posto de comando da GNR.

Na quarta-feira, o posto territorial de Proença-a-Velha avançou à TVI que o alerta para o desaparecimento da criança foi dado às 08:30 e que levou à montagem de uma operação de busca e resgate.

O dispositivo foi reforçado ao longo do dia e inclui ‘drones’, equipas cinotécnicas, militares da GNR e alguns populares, com as buscas a decorrerem numa área "bastante alargada" daquela localidade.

O menino, com idade compreendida entre "os dois e os três anos", terá desaparecido de casa e o alerta foi dado pela mãe, desconhecendo-se as circunstâncias do sucedido.

Dezenas de voluntários, muitos deles estrangeiros, participam nas buscas de criança desaparecida

Dezenas de voluntários, muitos deles estrangeiros, estão a participar nas buscas a uma criança de dois anos e meio que está desaparecida desde quarta-feira em Proença-a-Velha, no concelho de Idanha-a-Nova, no distrito de Castelo Branco.

Dos voluntários no terreno, apenas uma dúzia está inserida nas equipas coordenadas pela GNR, segundo o capitão Jorge Massano, do Comando de Castelo Branco, que coordena as operações no terreno.

Nas zonas de busca, é possível encontrar muitos voluntários, que se recusaram a prestar declarações.

A mais de um quilómetro da casa de onde desapareceu a criança, os ingleses Chris Hills e Lief Stone, de 37 e 33 anos, respetivamente, andam de bicicleta na tentativa de encontrar o rasto de Noah, de dois anos e meio.

Vi o que estava a acontecer na televisão e na quarta-feira à noite já vim participar nas buscas", disse Lief Stone, que tem dois filhos, um de sete anos e outro de um ano e meio.

Hoje, juntamente com o amigo Chris Hills, ambos trabalhadores da construção civil, tiraram o dia para participarem nas buscas e acreditam num "final feliz".

Tentámos vir à beira rio desde a casa dos pais da criança", disseram.

À beira do leito do Rio Torto, um dos efluentes do Ponsul, a agência Lusa encontrou o investigador criminal Paulo Fazenda, que estava de férias em Espanha e veio participar nas buscas como voluntário.

Atuando por "conta e risco", sem estar integrado em nenhuma equipa, o investigador salientou a mobilização da população, considerando que "devia ser sempre assim" em situações deste género.