O Chega avançou que vai retirar o apoio ao Governo Regional dos Açores.

“A direção Nacional do Chega, e eu, como seu presidente eleito, daremos instruções para que cesse o apoio do Chega ao governo regional dos Açores”, disse aos jornalistas o presidente do partido, André Ventura.

Tornou-se inócuo. Apesar dos multiavisos. Das minhas deslocações à região autónoma dos Açores, dos deputados do Chega nos Açores, dos dirigentes nacionais do Chega e das garantias que me foram dadas pessoalmente pelo presidente do governo regional dos Açores, esse gabinete nunca avançou", começou por dizer André Ventura.

"Soubemos esta semana que o orçamento previsto para a região, está ainda previsto um investimento absolutamente alucinante da companhia aérea açoriana. Mas Rui Rio deixou também claro que abdicará de governar caso tenha de se entender com o Chega e disse ser incompatível o seu apoio. É insustentável que um partido com entendimentos pontuais, regionais ou autárquicos possa continuar a sustentar esses apoios depois destas palavras de um líder nacional. Um líder que diz que é incompatível o apoio do Chega, não pode pedir o apoio do Chega, nem a nível regional, nem a nível autárquico, nem a nível local", explicou, avançando que dadas as condições e as linhas que foram quebradas, "nenhum acordo será capaz de alcançar com o PSD", reforçou o líder do partido.

Vice do Governo Regional lembra que estrutura local do Chega tem autonomia

O líder do CDS-PP/Açores e vice-presidente do Governo Regional manifestou-se hoje “tranquilo” com a orientação da Direção Nacional do Chega de retirar o apoio ao executivo, sublinhando que as estruturas partidárias regionais “têm autonomia”.

O doutor André Ventura é que tem de se entender com o partido a nível regional. Eu presumo que os órgãos regionais do Chega, à semelhança dos outros partidos, devem ter autonomia. Portanto, são os órgãos regionais do Chega, que foi quem assinou o acordo, que se hão de pronunciar sobre a matéria”, afirmou Artur Lima à agência Lusa.

Artur Lima comentava desta forma o anúncio feito hoje pelo líder nacional do Chega, André Ventura, de que iria pedir ao Chega Açores para retirar o apoio ao Governo Regional (PSD/CDS-PP/PPM), acabando com o acordo de incidência parlamentar.

“Eu já vi tanta coisa no Chega. Eram dois, depois já é um, amanhã não sei quantos são. As pessoas são responsáveis pelas afirmações que fazem e pelas atitudes. Eu, pela minha parte, estou muito tranquilo quanto a essa matéria”, sublinhou, escusando-se a tecer mais comentários.

Também em declarações à Lusa, o deputado único do Chega na Assembleia Regional dos Açores, José Pacheco, disse que ainda está em “negociações” com o Governo Regional, salientando que é sua a “última palavra” sobre o apoio ao executivo.

Redação / BMA