O congresso do Livre decidiu adiar este sábado a decisão sobre a retirada da confiança política à deputada Joacine Katar Moreira e remete-a para os novos órgãos que serão eleitos no domingo.

A decisão era entre a situação ser resolvida hoje ou o processo ser remetido para os novos órgãos que serão eleitos por este congresso.

Depois de uma votação para decidir se poderiam votar membros e apoiantes, 50 membros do congresso votaram a favor da primeira opção, e 52 optaram pela segunda.

A hipótese A [retirar confiança política hoje] com 50 votos, e a hipótese B [adiar a decisão] ficou com 52 votos”, anunciou Ana Natário, presidente da mesa do congresso.

A deputada Joacine Katar Moreira, o fundador do Livre Rui Tavares e o presidente do Conselho de Jurisdição, Ricardo Sá Fernandes, votaram a favor da proposta vencedora.

A decisão sobre a retirada, ou não, da confiança política à deputada caberá agora à próxima Assembleia, que entra em vigor após o congresso.

Na passada quinta-feira, a assembleia do partido Livre, órgão máximo entre congressos, decidiu propor ao congresso a retirada da confiança política à eleita, justificando, numa resolução, que “não se vislumbra da parte da deputada, Joacine Katar Moreira, qualquer vontade em entender a gravidade da sua postura, nem intenção de a alterar”.

Segundo o Grupo de Contacto (GC), Joacine Katar Moreira, desrespeitou os pontos específicos da 40.ª resolução, na qual se apelava a um trabalho “de confiança” entre o GC e a deputada, após a incidente devido à abstenção num voto sobre a Palestina proposto pelo PCP.

A deputada descurou, “reiteradamente, a comunicação e envolvimento dos órgãos do partido”, nomeadamente nas negociações com o Governo relativamente ao OE2020, recusando-se a revelar o sentido de voto do Livre até ao momento da votação, “contra o conselho do GC”, aponta a resolução.

Esta manhã, Ricardo Sá Fernandes tinha apresentado uma proposta para que fosse criada uma comissão interórgãos para analisar o processo, mas acabou por retirá-la por deixar de "fazer sentido", uma vez que os novos órgãos do Livre poderão "eles próprios criar uma comissão interórgãos que sirva este propósito".

No final da votação, ouviram-se gritos de “viva o Livre”.

O congresso do Livre elege, por voto secreto, o Grupo de Contacto (direção do partido), o Conselho de Jurisdição e a Assembleia – órgão máximo entre congressos.

O IX Congresso do Livre, que decorre no Centro Cívico Edmundo Pedro, em Lisboa, elege, por voto secreto, o Grupo de Contacto (direção do partido), o Conselho de Jurisdição e a Assembleia – órgão máximo entre congressos.

Moção para retirada de confiança a Joacine já não vai a votos

A moção que propõe a retirada de confiança do Livre à deputada Joacine Katar Moreira já não será votada no domingo, no segundo dia do IX congresso do partido, disse um dos subscritores do texto.

Os susbcritores da moção pediam à única deputada do partido para renunciar ao mandato e, caso tal não acontecesse, que lhe fosse retirada a confiança política.

Bruno Machado, um dos cinco subscritores da moção "Recuperar o Livre, resgatar a política", anunciou que a iniciativa em causa vai ser retirada, por "não fazer sentido" votá-la, após o congresso ter decidido adiar a decisão sobre a retirada da confiança política à deputada e tê-la remetido para os novos órgãos do partido que serão eleitos no domingo.

/ CE/BC - atualizada às 17:35