A secretária de Estado norte-americana Hillary Clinton pediu este Domingo à China que continue a comprar títulos do Tesouro norte-americano, de que é primeira detentora, numa altura em que Washington enfrenta um endividamento crescente.

«Penso que o governo chinês e o banco central de China tomam uma decisão inteligente continuando a investir nas obrigações do Tesouro», disse Clinton aos jornalistas, em Pequim, escreve a Lusa.

«Vamos enfrentar um aumento do nosso endividamento», acrescentou Clinton, numa referência à crise actual, no final de uma visita de três dias à China.

«Não seria do interesse da China se não fossemos capazes de fazer arrancar novamente a nossa economia», disse, sublinhando até que ponto as duas economias eram interligadas.

«Assim, ao continuar a apoiar os instrumentos do Tesouro americano, a China reconhece a nossa interdependência. Claramente, vamos sair disto juntos ou cair juntos», acrescentou a secretária de Estado.

Primeira potência económica mundial, os Estados Unidos apoiam-se há muito tempo nas aquisições por países estrangeiros das obrigações de Estado que emitem para financiar uma dívida gigantesca.

Em Setembro, a China ultrapassou o Japão como primeiro credor dos Estados Unidos. Em Dezembro, detinha 696,2 mil milhões de títulos do Tesouro, segundo as últimas estatísticas norte-americanas.