A idade avançada não impediu Kenneth Felts, de 90 anos, de tomar uma das decisões mais importantes da sua vida e assumir-se como homossexual.

Depois de passar quase uma centena de anos “em silêncio e dor”, Kenneth revelou a sua sexualidade perante a família que o acolheu e abraçou a sua coragem.

Ele é tão corajoso e nem sequer se apercebe disso. É extraordinário”, afirmou a filha, Rebecca Mayes.

A decisão foi inesperada. Até porque Kenneth queria levar consigo o segredo até à cova, mas, no final, foi o tempo isolado e em confinamento que foi determinante para o processo.

Fechado em casa devido à pandemia de Covid-19, Kenneth começou a trabalhar numa autobiografia que despoletou no pensamento memórias antigas.

Nesse fluxo de recordações, o norte-americano começou a refletir sobre o amor da sua vida: um homem chamado Phillip. Os dois apaixonaram-se na Califórnia, nos anos 50, mas Kenneth tomou a decisão “mais fácil” e viveu até os dias de hoje como um homem casado e divorciado.

 Há algumas semanas atrás, durante uma conversa com a filha, Kenneth admitiu que estava arrependido por ter deixado Phillip. Foi a primeira vez que Rebecca ouviu o pai a falar sobre a sua sexualidade.

A procura por Phillip, quase 60 anos desde a última vez que tiveram juntos, não foi bem sucedida e até hoje, Kenneth não conseguiu voltar atrás com a decisão feita durante os tempos em que estavam juntos na Califórnia.

Ainda assim, depois de se assumir perante a família, o homem de 90 anos decidiu que era tempo de confessar a toda a gente que “tinha estado a viver duas vidas ao mesmo tempo”. 

No Facebook, explicou que tinha duas personalidades dentro de si: Ken, um homem heterossexual e Larry, um homem homossexual. 

Estive num armário toda a minha vida - dentro de camadas e camadas de roupas. Ao abrir a porta, fiquei muito preocupado com aquilo que as pessoas fossem dizer. Fiquei preocupado porque não aguentava saber que ia perder pessoas da minha vida apenas por decidir ser quem sou”, escreveu Kenneth.