A família que apareceu morta num trilho perto de Yosemite, na Califórnia, é um mistério que continua por ser resolvido. 

As autópsias iniciais não revelaram o que matou o pai, Jonathan Gerrish, a mãe, Ellen Chung, a filha de um ano, Miju, e o cão, Oksi.

Os corpos foram encontrados por equipas de busca e resgate, na terça-feira, numa área separada da Floresta Nacional de Sierra. O alerta para o desaparecimento da família tinha sido dado na segunda-feira. 

Os investigadores estão a considerar possíveis causas: desde algas tóxicas, no rio Merced, a gases nocivos de minas abandonadas perto do trilho. 

Estas hipóteses foram levantadas depois de, no mês passado, o serviço florestal dos Estados Unidos ter alertado para algas venenosas, descobertas neste rio. O serviço alertou, de imediato, que as pessoas não nadassem na zona, não caminhassem perto e não deixassem os animais de estimação beber a água do rio. 

Não há indícios de que se trate de suicídio, por não haver nenhuma nota de despedida, o que leva os investigadores a descartar a hipótese de mortes intencionais. 

Os peritos continuam a investigar o local onde a família foi encontrada em busca de novas pistas. Espera-se que os resultados possam surgir só entre duas a três semanas.

/ IM