O banco digital Revolut, que abriu em março de 2020 a segunda maior unidade da Europa numa antiga fábrica de Matosinhos, vai investir na política de trabalho flexível motivada pela pandemia.

A Revolut anunciou, esta semana, o lançamento da sua nova política permanente de trabalho flexível, e decidiu transformar todos os seus escritórios em 'Laboratórios Revolut'. Esta foi a nossa resposta às mudanças no local de trabalho - impostas pela pandemia da Covid-19 -, alinhada com os pedidos dos nossos colaboradores para a implementação de uma modalidade de trabalho mais flexível", anunciou a empresa.

A empresa explica que ainda está "a definir a estratégia que permita redimensionar as instalações à luz da nova política que permite o trabalho flexível", pelo que está a avaliar "todas as opções" que permitam a criação dos RevLabs.

Esta decisão, garante a Revolut, "não terá impacto no nosso investimento no País ou na contratação dos melhores talentos nacionais".

Continua tudo [sobre a previsão de empregar até 470 pessoas]. Mantemos todas as posições que temos em aberto. Temos mais de 100 funcionários em Portugal e estamos, neste momento, a contratar para 36 vagas. Temos muita expectativa com o lançamento do nosso modelo RevLabs, em Portugal. Queremos que aconteça muito em breve e que seja mais uma forma de reter e cativar talento", disse fonte oficial.

Neste contexto, podem "contratar em todo o território nacional e a pessoa pode exercer a sua profissão a partir de casa”, acrescentou.

Com as alterações da política de trabalho, a Revolut já não terá, contudo, a “necessidade de contratar maioritariamente pessoas na região contígua ao Grande Porto e Matosinhos, porque já não há a necessidade da função ser exercida associada a um escritório”.

Segundo a Revolut, esta foi a "resposta às mudanças no local de trabalho - impostas pela pandemia covid-19 -, alinhada com os pedidos dos nossos colaboradores para a implementação de uma modalidade de trabalho mais flexível".

Ou seja, em laboratórios Revolut de menor dimensão e adaptados a espaços de colaboração ou reuniões para discutir ideias e que ocupam menos do que espaços que tenham de garantir uma secretária para cada colaborador. Os novos laboratórios Revolut terão cerca de 70% do seu espaço dedicado ao trabalho colaborativo e de equipa, em linha com o feedback dos colaboradores.

Um inquérito da Revolut feito aos seus funcionários indica que 98% dos inquiridos considerou que foi uma boa experiência o trabalho remoto e 90% dos líderes de equipas asseguraram que a performance não foi afetada.

O inquérito revelou também que 65% dos colaboradores assumiram que desejam ter liberdade para ir ao escritório quando quisessem e, por isso, a empresa procurou criar um modelo que oferece um “bom ambiente de colaboração, enquanto apoia os funcionários que desejam trabalhar a partir de casa”.

/ MJC