André Ventura está decidido a ter 10% a 15% por cento dos votos nas próximas eleições autárquicas, tornando-se a terceira força política nacional na votação que acontece ainda este ano.

Este é um dos pontos no qual assenta a moção "Governar Portugal" com que Ventura apresenta este sábado a sua recandidatura a líder do Chega.

Ventura quer "conseguir forte implementação autárquica, conseguindo representação ao nível das assembleias de freguesia, assembleias municipais e câmaras municipais do país todo".

Objetivo: "Governar Portugal"

E, além disso, assume também como objetivo "consolidar e preparar o partido para alcançar 10% - 15% dos votos nas próximas eleições legislativas e tornar-se assim indispensável à formação e viabilização de qualquer Governo".

Ventura quer, desta forma, que o congresso lhe dê um mandato claro para negociar com PSD a eventual formação do Governo.

Não deverá o Partido abdicar da participação ministerial num governo eventualmente liderado pelo PSD, exigindo a possibilidade efetiva de transformação do país. Uma solução de mero apoio parlamentar será para o Partido ainda mais nociva do que a situação atual", lê-se no documento.

A Ventura não lhe chega uma "solução de mero apoio parlamentar será", que considera ainda mais nociva para o partido do que a situação atual. Quer ter efetivamente participar no Governo.

Sobre as linhas gerais do partido, André Ventura defende que "o caminho seguido até agora é o correto, afastando apelos de moderação"

No entanto, deixa um pedidos aos militantes: "É fundamental não voltar ao tempo em que as redes sociais serviam quase exclusivamente para lavar roupa suja e perturbar o crescimento externo do Partido e a sua boa imagem".

Graça Picão / MJC