O presidente da Cruz Vermelha Portuguesa, Francisco George, está a usar viaturas e motoristas da instituição, violando o regulamento que ele próprio escreveu e que impõe a todos os funcionários, dirigentes e voluntários.

A ordem de Francisco George surge depois de uma carta anónima enviada para todas as delegações que denunciava as chamadas "mordomias do presidente e dos vice-presidentes".

As provas que a investigação que a TVI recolheu ao longo de quase duas semanas são inequívocas. Há muito que altos dirigentes da Cruz Vermelha, funcionários da sede e das delegações que se sentem desconfortáveis com o reinado de Francisco George.

Muitos deles têm sido pressionados a sair, outros demitidos por telefone. Pessoas que durante décadas deram tudo pela instituição.

Em apenas um ano e meio em funções já perdeu dois dos seus vice-presidentes, assim como altos quadros, que puseram em causa a forma como Francisco George tem governado a Cruz Vermelha. Depoimentos exclusivos que o acusam de estar a colocar a instituição ao serviço do poder politico.

O presidente da Cruz Vermelha Portuguesa chegou a aceitar o convite da TVI para vir a estúdio, em direto, responder às denúncias feitas na reportagem. Informou que apenas tinha disponibilidade para comparecer esta sexta-feira. Por isso mesmo, e num gesto de boa fé e respeito genuíno pelo contraditório, a TVI adiou o programa de quinta-feira para esta noite.

Estranhamente, depois de ver a promoção do programa no ar, e apesar de já conhecer previamente os temas da reportagem, na quinta-feira, ao final da tarde, recebemos um comunicado da Cruz Vermelha Portuguesa a informar que Francisco George afinal não vinha ao debate. Segundo a direção, o motivo prende-se com uma que a Cruz Vermelha apresentou contra Ana Leal na Comissão da Carteira Profissional em julho passado na sequência de outra reportagem.