Um raro furacão na zona do Mediterrâneo, também conhecido como "medicane" (furacão mediterrâneo), está a devastar várias zonas do sul da Grécia por causa das chuvas torrenciais que já levaram a vários cortes de energia.

A tempestade Ianos atingiu a ilha de Lefkada na manhã de sexta-feira, de acordo com o Serviço Meteorológico Nacional Helénico, e durante o fim de semana vai dirigir-se para sudeste, atingindo a península do Peloponeso, a capital Atenas e a ilha de Creta.

O furacão move-se com ventos que rondam os 100 quilómetros por hora e chuvas fortes que podem chegar aos 150-250 milímetros e até 500 milímetros em algumas áreas. Já causou inúmeras inundações, quedas de árvores, cortes de energia e interrupções nos transportes nas ilhas de Cefalónia, Zaquintos e Ítaca.

As árvores estão a cair por todo o lado", constatou Rodi Kratsa, governador das Ilhas Jónicas, à BBC.

Um “medicane” tem características semelhantes a furacões e tufões e a primeira vez que o fenómeno surgiu na Grécia foi em 1995. Pode formar-se sobre as águas mais frias e geralmente movem-se de oeste para este.

Ianos equivale a uma forte tempestade tropical no Atlântico e pode revelar-se um dos “medicanes” mais fortes a ser registado. O facto de a temperatura à superfície do mar ser quente naquela zona do Mediterrâneo ajuda o fenómeno a ganhar mais força.

No vídeo seguinte observa-se a tempestade a ganhar uma aparência semelhante a um furacão. Segundo a CNN, este fenómeno está a ganhar uma força que só seria esperada em algumas zonas das Caraíbas, região constantemente atingida por furacões.

As autoridades gregas emitiram um alerta vermelho para ventos, chuva e condições de tempestade devido ao “medicane”.

Redação / MS