Jeremiah Harris, conhecido por “Jerry” na série documental “Cheer”, um dos membros da equipa mais acompanhado ao longo do documentário, está acusado de produzir e receber vídeos e fotografias de caris sexual envolvendo menores.

O jovem de 21 anos foi alvo de uma queixa por, alegadamente, incentivar menores a gravar vídeos sexuais explícitos e tirar fotografias íntimas, segundo as autoridades judiciais dos Estados Unidos. Os crimes terão acontecido entre dezembro de 2018 e março de 2020. 

De acordo com o processo judicial, Jeremiah "aproveitou-se da popularidade e exposição à fama entre atletas de claque, jovens do sexo masculino" no período "que antecedeu, durante e após o lançamento da série 'Cheer’".

As duas supostas vítimas do sexo masculino, agora com 14 anos, tinham 13 anos quando o comportamento inadequado começou, segundo a denúncia realizada. Pelo menos uma delas, de acordo com a BBC, terá deixado claro a Jeremiah, nas conversas online, que tinha apenas 13 anos. 

Jeremiah foi preso na manhã da última quinta-feira e, à tarde, compareceu no tribunal de Chicago.

As mensagens de Harris não se limitaram a abusos e assédio virtual. Harris tentou sempre que os requerentes se encontrassem com ele em locais isolados durantes várias competições, solicitando conduta sexual com os meninos", pode ler-se ainda no processo, citado pela CNN.

De acordo com o tribunal, Jeremiah admitiu ter solicitado e recebido imagens explícitas do menor. Mas o porta-voz do ator negou as acusações.

Contestamos categoricamente as alegações e estamos confiantes de que quando a investigação for concluída, os factos verdadeiros serão revelados", diz o porta-voz do ator, citado pela CNN.

Uma audiência a realizar-se segunda-feira irá determinar se Jeremiah permanecerá sob custódia ou será libertado sob fiança.

A produção de pornografia infantil, nos EUA, é punida com uma pena mínima de 15 anos de prisão e máxima de 30 anos, afirma um comunicado do Ministério Público dos Estados Unidos. Pelo que, se as acusações forem provadas em tribunal, o ator pode ser condenado a uma pena que pode ir até aos 30 anos de cadeia. 

Jerry destacou-se na série de sucesso “Cheer”, transmitida pela Netflix, que acompanhava uma equipa de atletas do Navarro College, no Texas, em busca do título nacional. A série estreou em janeiro de 2020 e já ganhou dois prémios Emmy. O jovem ator ganhou popularidade pelo espírito de resiliência, os discursos motivacionais e os característicos gritos de apoio aos colegas.

Na última quinta-feira, um porta-voz da Netflix pronunciou-se sobre o caso. "Como todos, estamos chocados com esta notícia. Qualquer abuso a menores é um crime terrível e respeitamos o processo legal", disse o responsável, citado pela CNN.

Redação / MS