A polícia do estado norte-americano do Luisiana terá deixado vários vídeos num cofre, ignorando-os de forma intencional ao longo de vários anos. A agência Associated Press teve acesso às imagens, onde alguns casos mostram violência policial, nomeadamente contra cidadãos considerados de minorias étnicas, como negros e hispânicos.

De acordo com aquela agência, os agentes utilizavam canais de comunicação oficiais para falar sobre os atos cometidos.

Numa das imagens divulgadas, um homem negro é empurrado contra o carro da polícia depois de ter sido encontrada marijuana no veículo que conduzia.

O norte-americano terá sido depois atirado ao chão e levado socos enquanto estava algemado.

Noutro vídeo, que também envolve um cidadão negro, um polícia ter-lhe-à partido o maxilar, as costelas e o pulso, tudo depois de ter dado 18 murros. O cidadão tinha sido mandado parar num semáforo, e acabou violentamente agredido.

Ainda noutro vídeo, um polícia é visto a deter um homem hispânico que caminhava calmamente na via pública e que era suspeito de tráfico de droga. O vídeo acabou por ser divulgado depois de um juiz o ter descoberto.

Mas há também casos de homens brancos a serem agredidos brutalmente. Foi o que aconteceu a Darrell Smith, um motorista que fugiu de uma operação stop em Baton Rouge, em agosto de 2019, e que acabou espancado pela polícia. O homem acabou por ser hospitalizado com uma falência renal temporária.

As autoridades do Luisiana têm estado sobre escrutínio depois da morte de um afro-americano desarmado, morto depois de ser preso pela polícia estatal em 2019.

António Guimarães