Portugal registou esta sexta-feira mais 6.653 casos de covid-19 e 69 mortes, indica o relatório de situação epidemiológica divulgado pela Direção-Geral da Saúde (DGS). 

Isto significa que foi hoje registado um novo máximo de casos diários, depois de, a 7 de novembro, terem sido contabilizadas 6.640 infeções. Assim, Portugal soma agora um total de 204.664 casos confirmados desde o início da pandemia, bem como 3.250 vítimas mortais.

Do total de mortos, 32 ocorreram na região Norte, 27 em Lisboa e Vale do Tejo, oito no Centro, um no Alentejo e outro no Algarve. 

Desde quinta-feira foram internadas em enfermaria mais cinco doentes, contando-se agora 2.799 internamentos. Quanto à Unidade de Cuidados Intensivos, deram entrada mais cinco pessoas. 

Boletim DGS - 13 de novembro by TVI24 on Scribd

Portugal têm agora 84.032 casos ativos, mais 2.891 do que na quinta-feira, e foram dados como recuperados, nas últimas 24 horas, mais 3.693 doentes, num total de 117.382 desde o início da pandemia.

A DGS refere também que as autoridades de saúde têm em vigilância 90.425 contactos, mais 750 em relação a quinta-feira.

A região Norte continua a ser a que regista a maioria dos novos casos (61%): 4.601 nas últimas 24 horas, totalizando 101.685 somando 1.491 mortos desde o início da pandemia, em março.

Na região de Lisboa e Vale do Tejo foram notificados mais 1.733 novos casos de infeção, contabilizando-se agora 75.014 casos e 1.233 mortes.

Na região Centro foram registados mais 626 casos de infeção, contabilizando-se um total de 19.134 casos e 403 mortos.

No Alentejo foram registados mais 114 novos casos de covid-19, totalizando 3.855 casos e 74 mortos.

A região do Algarve tem hoje notificados 86 novos casos de infeção, somando agora 3.801 casos e 32 mortos desde o início da pandemia.

Na Região Autónoma dos Açores foram registados 19 novos casos nas últimas 24 horas, enquanto na Madeira foram registados mais 14.

Os casos confirmados distribuem-se por todas as faixas etárias, situando-se entre os 20 e os 59 anos o registo de maior número de infeções.

Cláudia Évora