A vacinação contra a covid-19 arrancou na Europa ainda antes do fim do ano de 2020. Depois de avanços e recuos, a União Europeia aprovou o primeiro produto, da Pfizer, antes do Natal.

Já em 2021 se procedeu à aprovação da vacina da Moderna, e esta mesma sexta-feira, foi a vez da aprovação da AstraZeneca.

Apesar de tudo isto, há um país europeu onde ainda não foi administrada qualquer vacina contra o novo coronavírus. Trata-se da Moldávia, um país com pouco mais de 2,6 milhões de habitantes, que já viu serem confirmados 157 mil casos da doença.

Esta realidade é traçada num artigo de opinião escrito no jornal britâncio The Guardian, que aproveitou para relatar o caso da mãe de, Alecu Mătrăgună, um cidadão moldavo emigrado no Canadá que partilhou uma publicação no Facebook indignado com a situação no seu país de origem.

Estou tão feliz por trabalhar na linha da frente e por ver que o sistema de saúde canadiano funciona tão bem. Mas estou triste por ter sido vacinado primeiro que a minha mãe, que trabalha no sistema de saúde da Moldávia", pode ler-se na publicação.

Alecu Mătrăgună trabalha no serviço de imagiologia de um hospital em Montreal. A sua mãe, de 61 anos, é pediatra na Moldávia. Os dois familiares vivem realidades diferentes. Se ele foi logo vacinado, a mãe, 30 anos mais velha, não faz ideia de quando poderá vir a ser vacinada.

Na mesma situação estão 53.300 profissionais de saúde moldavos, naquele que é um dos países mais pobres da Europa.

António Guimarães