Portugal contabiliza esta segunda-feira mais 78 mortes relacionadas com a covid-19 e 4.369 novos casos de infeção com o novo coronavírus, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

O boletim epidemiológico da DGS indica ainda que estão internadas 3.171 pessoas, mais 127 do que no domingo, das quais 510 em cuidados intensivos, ou seja, mais dez.

Desde o início da pandemia, Portugal já registou 7.186 mortes e 431.623 casos de infeção pelo vírus SARS-CoV-2, estando esta segunda-feira ativos 80.008, mais 2.407 do que no domingo.

As autoridades de saúde têm em vigilância 94.749 contactos, mais 355 relativamente ao dia anterior.

O boletim revela ainda que mais 1.884 pessoas foram dadas como recuperadas.

Desde o início da epidemia em Portugal, em março, já recuperaram 344.419 pessoas.

Relativamente às 78 mortes registadas nas últimas 24 horas, 33 ocorreram em Lisboa e Vale do Tejo, 18 na região Norte, 15 na região Centro, 10 no Alentejo, uma na região do Algarve e uma na Região Autónoma da Madeira.

Ainda segundo o boletim da DGS, a região Norte foi a que registou o maior número de novas infeções por SARS-CoV-2 nas últimas 24 horas (1.570). Desde o início da pandemia, a região Norte registou 216.601 casos de infeção e 3.279 mortes.

Na região de Lisboa e Vale do Tejo foram notificadas 1.437 novas infeções, contabilizando-se até agora 139.957 casos e 2.512 mortes.

Na região Centro registaram-se mais 644 casos, acumulando-se 50.891 infeções e 1.045 mortos.

Já no Alentejo foram assinalados mais 383 casos, totalizando 12.066 infeções e 249 mortos desde que o início da epidemia em Portugal.

A região do Algarve tem esta segunda-feira notificados 188 novos casos, somando 8.336 infeções e 74 mortos.

A Madeira registou 58 novos casos. Esta região autónoma contabiliza 1.754 infeções e 15 mortes devido à covid-19.

Na Região Autónoma dos Açores foram registados 89 novos casos nas últimas 24 horas, somando 2.018 infeções e 22 mortos.

Os casos confirmados distribuem-se por todas as faixas etárias, situando-se entre os 20 e os 59 anos o registo de maior número de infeções.

/ DA