A vacina contra a covid-19 desenvolvida pela Pfizer e pela BioNTech provou ser eficaz a neutralizar a variante da doença detetada no Brazil, que tem uma maior transmissão e está a preocupar as autoridades de vários países.

A conclusão foi apresentada esta segunda-feira num estudo publicado no New England Journal of Medicine, tendo sido conduzido em articulação com a Universidade do Texas.

Para a experiência, os investigadores retiraram sangue de voluntários a quem foi dada a vacina e também uma versão do vírus SARS-cov-2 com o mesmo tipo de características da variante descoberta no Brasil.

Os cientistas responsáveis pelo estudo concluíram que a eficácia da vacina na nova variante foi semelhante à encontrada na vacinação contra a versão original da doença.

Anteriormente, tinha sido revelado que a vacina da Pfizer era eficaz a neutralizar outras variantes, nomeadamente as identificadas no Reino Unido e na África do Sul, todas mais contagiosas que o vírus original. Apesar disso, em relação à variante sul-africana existe a possibilidade de que os anticorpos criados possam ser mais reduzidos que nas outras variantes.

A Pfizer afirmou que acredita que a atual vacina protege contra a variante sul-africana, ainda que já tenha admitido um cenário de uma terceira dose de vacina que poderá ser criada especificamente para esta mutação.

António Guimarães