Ed Sheeran é um dos músicos com mais sucesso em todo o mundo, mas a história podia ter tido outro rumo. Uma exposição sobre a carreira do cantor revela que Ed Sheeran chumbou em todos os testes da Academia de Música Contemporânea de Guildford, no Reino Unido. O boletim de notas agora divulgado mostra que o artista teve a pior nota a todas as seis disciplinas.

A exposição, intitulada "Feito em Suffolk", abriu as portas esta terça-feira, na Christchurch Mansion, em Ipswich, e vai estar disponível durante os próximos nove meses. A entrada na exibição é gratuita e pode ser visitada por todas as idades. O curador da exposição é o pai de Ed Sheeran, John Sheeran.

Um dos documentos divulgado é o boletim de notas de Ed Sheeran, que remonta a 31 de agosto de 2010. Na referida carta é dada uma classificação de F (falhou) em todas as seis disciplinas em que o cantor estava inscrito, entre as quais Preparação para Indústria Musical. De resto, a nota F era a pior que o curso podia dar, numa escala que ia até ao D, que indicava que o aluno tinha passado com distinção. As restantes notas eram o CF (falha condenável), P (passou) ou M (mérito).

John Sheeran deixou algumas informações para complementar o boletim de notas, afirmando que "apenas três semanas depois de começar o curso e estando já desiludido, ele pediu aos professores para ir em digressão, mas eles recusaram".

A exposição tem outros documentos, como um poster do primeiro espetáculo do cantor, que se realizou em 2005 e cuja entrada custava apenas três libras (pouco mais de três euros). O útlimo concerto de Ed Sheeran em Portugal, que se realizou no Estádio da Luz, teve preços a rondar os 80 euros.

A apresentação decorre em simultâneo com a passagem de Ed Sheeran por Ipswich, onde vai atuar quatro vezes entre os dias 23 e 26 de agosto. Colin Davidson e Mark Surridge são os responsáveis pela exposição, que reúne documentos, fotografias e quadros do cantor. Vários artigos pessoais de Ed Sheeran vão ser partilhados com o público, "desde a sua vida em Suffolk até ao sucesso internacional", pode ler-se no site da exposição.

Muitos destes trabalhos íntimos nunca foram vistos antes", revela a exposição.