É o maior e o mais recente relatório da ONU sobre o clima e revela resultados preocupantes para o planeta. E o alerta está feito: o aquecimento global acima de 1,5ºC vai ser "catastrófico" para os países insulares do Pacífico.

De acordo com os investigadores, as consequências das alterações climáticas podem levar ao desaparecimento de países inteiros por causa do aumento do nível do mar, ainda este século.

Atualmente, estes países já estão a sofrer com marés altas, ciclones catastróficos e secas prolongadas: 

Vamos ver mais salinidade, aumento do nível do mar... o que significa que grande parte de países como o Kiribati, Vanuatu, Ilhas Salomão, simplesmente se tornarão inabitáveis", afirmou Nikola Casule, líder da pesquisa e investigação da Greenpeace Australia Pacific.

Leia também:

Ora, o relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês) estima que o limiar do aquecimento global (de + 1,5° centígrados) em comparação com o da era pré-industrial vai ser atingido em 2030, 10 anos antes do que tinha sido projetado anteriormente, "ameaçando a humanidade com novos desastres sem precedentes".

O estudo da principal organização que estuda as alterações climáticas, elaborado por 234 autores de 66 países, foi o primeiro a ser revisto e aprovado por videoconferência.

Mesmo que se atinja a neutralidade das emissões de carbono, o nível de água do mar continuará a aumentar, irremediavelmente, entre 28 e 55 centímetros até finais do século (em relação aos níveis atuais). Se as atuais emissões duplicarem, a subida pode chegar aos 1,8 metros.

A longo prazo, o nível de água do mar subirá entre dois e três metros nos próximos dois mil anos, se o aquecimento global se mantiver nos 1,5 graus fixados no Acordo de Paris, mas pode ultrapassar os 20 metros com uma subida de 5 graus, por exemplo.

O nível do mar subiu, em média, 20 centímetros entre 1901 e 2018, mas se subiu 1,3 milímetros anualmente nas primeiras sete décadas do século XX, agora está a subir 3,7 milímetros, alerta o relatório.

Rafaela Laja