Gente Que Não Sabe Estar chegou ao fim. Depois de 21 episódios de sátira política, Ricardo Araújo Pereira terminam o périplo eleitoral. Para uma última edição do programa, o humorista convidou Manuel Moura dos Santos para uma reedição do Got Talent, programa no qual vários candidatos são avaliados consoante a sua performance em alguma arte. Desta vez, os artistas foram os políticos.

Houve de tudo neste concurso, desde um Marcelo Rebelo de Sousa que canta pior que o Zé Cabra até a uma Catarina Martins com interpretações em filmes portugueses. Já Fernando Medina parece ter vontade de tocar piano, o que não é recíproco da parte do instrumento. A biodança de André Silva, porta-voz do PAN.

Os argumentos do guião do CDS

Na segunda parte de Gente Que Não Sabe Estar, o convidado de Ricardo Araújo Pereira foi Adolfo Mesquita Nunes. O dirigente do CDS aceitou o convite na sequência da derrota eleitoral do partido, que, já se sabe, vai ter de encontrar novo lidar.

Responsável pelo programa eleitoral dos centristas, Adolfo Mesquita Nunes falou num argumento de romance, e não de ficção científica. Mas, segundo Ricardo Araújo Pereira, nem tudo são más notícias. O CDS só precisa de gastar dinheiro num táxi para ir ao Parlamento, desde que um dos deputados seja o condutor (o partido elegeu cinco deputados).