No 13º dia da sondagem diária da Pitagórica para a TVI, Jornal de Notícias e TSF, o PAN ultrapassou pela primeira vez o CDS, enquanto o PS e o PSD voltam a encurtar a distância de um para o outro nas intenções de voto.

De acordo com a sondagem, o partido de André Silva foi o que mais subiu, registando 4,4% das intenções de voto (+0,6%), sendo a primeira vez que o PAN ultrapassa a barreira dos 4%. Em sentido contrário, o CDS-PP mantém uma tendência de descida, que se verifica desde 30 de setembro. O partido de Assunção Cristas registou 3,9% das intenções de voto (-0,1%).

O PS também desceu 0,1%, e tem agora 37,3% na sondagem diária. O PSD subiu de 28,5% para 28,8% (+0,3%), encurtando a distância para os socialistas. Oito pontos e meio distanciam os dois maiores partidos.

O Bloco de Esquerda voltou a recuperar, obtendo 9,2 pontos percentuais, subindo em 0,3% nas intenções de voto. O partido de Catarina Martins afastou-se, assim, da CDU, que teve a descida mais acentuada (-0,8%) e reúne agora 6,6% das intenções de voto.

Relativamente ao impacto da exposição mediática, apenas quatro líderes partidários registaram uma subida. Catarina Martins, André Silva, Santana Lopes e André Ventura subiram neste parâmetro, no qual o melhor colocado passa a ser Carlos Guimarães Pinto, líder da Iniciativa Liberal (14,3%). Marinho e Pinto continua a ser a personalidade com o pior impacto da exposição mediática (-27,8%).

Nos dois principais partidos, António Costa tem um impacto de exposição mediática de 11,3% negativos, enquanto Rui Rio reuniu 10,4 pontos percentuais.

Partidos 2 de outubro 3 de outubro variação
PS 37,4% 37,3% -0,1%
PSD 28,5% 28,8% 0,3%
CDS-PP 4,0% 3,9% -0,1%
CDU 7,4% 6,6% -0,8%
BE 8,9% 9,2% +0,3%
LIVRE 0,8% 0,9% +0,1%
CHEGA 1,5% 1,5% 0,0%
ALIANÇA 1,1% 1,5% +0,4%
INICIATIVA LIBERAL 0,4% 0,9% +0,5%
PAN 3,8% 4,4% +0,6%
OUTROS/BRANCOS/NULOS 6,2% 5,0% -1,2%

Ficha Técnica

Durante 4 dias (29 setembro a 2 de outubro  2019) foram recolhidas diariamente pela Pitagórica para a TVI, o JN e a TSF uma sub-amostra de 150 entrevistas representativa do universo eleitoral português (não probabilístico)  tendo por base os critérios de género, idade e região. O resultado do apuramento dos 4 últimos dias de trabalho de campo, implica uma amostra 600 indivíduos que para um grau de confiança de 95,5% corresponde a uma margem de erro máxima de ±4,07%.  A seleção dos entrevistados foi  realizada através de geração aleatória de números de “telemóvel” mantendo a proporção dos 3 principais operadores identificados pelo relatório da ANACOM, sempre que necessário são selecionados aleatoriamente números fixos para apoiar o cumprimento do plano amostral. As entrevistas são recolhidas através de entrevista telefónica (CATI – Computer Assisted Telephone Interviewing).

O estudo tem como objetivo avaliar a opinião dos eleitores Portugueses, sobre temas relacionados com as eleições, nomeadamente os principais protagonistas, os momentos da campanha bem como a intenção de voto nos vários partidos.

A taxa de resposta foi de 60,12% ,  a direção técnica do estudo é da responsabilidade de Rita Marques da Silva.

A taxa de abstenção expressa na sondagem é de 4,3% a que acresce 43,0% que na abordagem inicial se recusaram a responder à entrevista por não pretenderem votar nesta eleição, totalizando 47,3% de abstenção.

 A Ficha técnica completa bem como todos os resultados foram disponibilizados junto da Entidade Reguladora da Comunicação Social que os disponibilizara oportunamente para consulta online.