Várias pessoas denunciaram esta sexta-feira a presença de grafittis de teor racista em paredes e fachadas de múltiplas universidades e escolas públicas em Portugal.

Imagens que chegaram à redação da TVI mostram mensagens presentes na Universidade Católica de Lisboa nas quais, pintadas a negro, é possível ler "Por uma Católica sem escarumbas", ou "Viva a raça branca".

 

 

Outras fotografias publicadas no Twitter mostram a fachada do edifício da Escola Secundária da Portela grafitada com mensagens como "Portugal é branco. Pretos, voltem para África". Também na António Damásio, em Lisboa, lê-se "Fora com os pretos! Por uma escola branca".

 

 

Também no Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE), uma estudante partilhou imagens do parque de estacionamento da faculdade marcada por mensagens racistas. "Morte aos pretos. Por uma faculdade branca", lê-se.

Todas os grafittis têm em comum o teor da mensagem, acompanhada por um símbolo idêntico ao do movimento de extrema-direita Geração Identitária.

As mensagens deixaram vários estudantes revoltados e, nas redes sociais, manifestaram-se contra os atos de apoio à segregação racial nos estabelecimentos de ensino.

 

Na faculdade, no trabalho, na rua ou em casa. Esta luta é de todos. Por uma sociedade plural em que não haja espaço para demonstrações de ódio deste tipo. Lutar contra este monstro é um dever. Orgulhosamente preto e estudante universitário", diz um estudante do ISCTE em reação às mensagens escritas a tinta verde.

Segundo a associação SOS Racismo, Portugal tem sofrido uma subida a pique da violência com base na cor da pele nos últimos meses. No dia 11 de agosto, um e-mail foi enviado pelo “Nova Ordem de Avis – Resistência Nacional” a a várias associações e dirigentes políticos com ameaças de cariz racista e político.

Informamos que foi atribuído um prazo de 48 horas para os dirigentes antifascistas e anti-racistas incluídos nesta lista, para rescindirem das suas funções políticas e deixarem o território português. Sendo o prazo ultrapassado, medidas serão tomadas contra estes dirigentes e os seus familiares, de forma a garantir a segurança do povo português. O mês de Agosto será mês da luta contra os traidores da nação e seus apoiantes. O mês de Agosto será o mês do reerguer nacionalista", pode ler-se na mensagem assinada pelo NOA-RN.

 

A Polícia Judiciária anunciou entretanto estar a investigar o caso e a preparar duas queixas-crime por causa das ameaças a duas deputadas do Bloco de Esquerda visadas num email que foi enviado a dez pessoas.

Também o grupo de estudantes universitários Quarentena Académica denunciou que estão a ocorrer atos de xenofobia e racismo por parte de alunos e professores nas Faculdades de Engenharia e Letras da Universidade do Porto (U.Porto).