Tímida, insegura, como se estivesse a pedir licença ao pai para entrar em palco. Foi assim que Sara Carreira cantou pela primeira vez ao lado do pai num grande palco. A música interpretada por pai e filha não podia ser mais ilucidativa da relação entre ambos: "Hoje Menina Amanhã Uma Mulher".

Tony recebia, ali naquele palco, perante um público imenso que ele conhecia bem, mas ela não, a sua menina. E foi ali que o mundo ficou a saber que também ela herdara os genes da música que corre nas veias dos Carreira. 
A menina tímida, de aparelho nos dentes e caracóis louros, tinha apenas 12 anos nessa altura. Já sabia que a música lhe estava no sangue, mas sabia também que tinha de singrar por conta própria. Fez o percurso académico normal, até que a música falou mais alto e, em 2018, Sara cancelou a matrícula na universidade e se lançou numa carreira a solo.
Era assumidamente, por ambos, a "menina do papá". Tony Carreira não escondia o orgulho que tinha na única filha, na mais nova dos seus três descendentes. Sara completou 21 anos a 21 de outubro e Tony surpreendeu-a com uma mensagem transportada por um avião: "Parabéns, mon poussin. Je t'aime" (´"Parabéns, minha garota. Amo-te", numa tradução livre para português). 
Viram a mensagem juntos, na praia, e a reação comovida de Sara e o carinho do pai foram registados em vídeo e a jovem divulgou o momento na sua conta do Instagram. Dois vídeos que comoveram os fãs: 

Sara falava sempre do pai com um enorme respeito. Sabia bem o peso que o nome lhe trazia. Numa entrevista à revista Lux, no ano passado, confessou que ser filha de Tony Carreira lhe trazia inúmeras responsabilidades. 

Tem os seus benefícios e abre-me portas ao início, mas, por outro lado, não me dá a margem de erro que é preciso ao início para nos podermos descobrir enquanto músicos", confessou.

 

Tony via a filha nascer para a música, primeiro no YouTube e depois nos canais mais convencionais, e nunca escondeu que isso lhe causava preocupação. Em várias entrevistas, disse preferir que a filha seguisse outras pisadas. Sempre temeu que as comparações, que sabia inevitáveis, a pudessem fazer sofrer. Mas também nunca lhe tirou o tapete e, com uma mistura de temor e de orgulho, foi partilhando o palco com ela.  
 
Era a "princesa do papá", como todas as meninas devem ser. Mas era também a princesa dos irmãos mais velhos, David e Mickael, que nunca esconderam o orgulho e o sentimento de proteção em relação à benjamim da família.
Em 2018, quando ainda dava os primeiros passos neste mundo, cantou com os três no Altice Arena. Era visível o orgulho dos três homens do clã Carreira na irmã e na filha Sara. 
 

Leia também:

Manuela Micael