O Instituto Nacional de Estatística (INE) sinalizou esta quarta-feira uma “recuperação significativa” da atividade em março e abril, mas para níveis ainda inferiores aos do período homólogo de 2019.

A informação disponível para março e abril revela, de acordo com o INE, taxas de variação homólogas positivas, mais intensas no último mês, após taxas negativas desde o início da pandemia.

Esta evolução deve-se em grande medida a um efeito de base, visto que, pela primeira vez, decorrido um ano, a comparação incide sobre meses já fortemente afetados pela pandemia (março e abril de 2020)”, sinaliza.

Ainda assim, acrescenta, em geral, os indicadores observados ainda não atingiram os níveis do período homólogo de 2019.

Entre as exceções, o INE destaca a evolução positiva de dois indicadores associados ao investimento, vendas de cimento e importações de máquinas.

O indicador de atividade económica registou um acentuado aumento em março, após os agravamentos verificados nos dois primeiros meses do ano e o indicador quantitativo de consumo privado registou em março uma redução em termos homólogos menos intensa, registando o valor mais elevado desde março de 2020.

O indicador de investimento também registou um crescimento muito acentuado em março, depois das variações homólogas negativas registadas nos dois primeiros meses do ano. Em abril, o indicador de clima económico apresentou uma expressiva recuperação.

A taxa de desemprego fixou-se em 7,1% no primeiro trimestre de 2021, 0,2 pontos percentuais abaixo da taxa observada no trimestre anterior, mas 0,3 pontos acima da registada no período homólogo de 2020.

A variação homóloga do Índice de Preços ao Consumidor (IPC), por sua vez, foi 0,6% em abril, taxa superior em 0,1 pontos percentuais à registada em março.

O índice de preços na produção da indústria transformadora apresentou em abril uma taxa de variação homóloga de 3,0% (-0,6% no mês anterior), registando o crescimento mais elevado desde novembro de 2018.

. / JGR