Uma festa ilegal que teve início na sexta-feira, dia 13 de agosto, continua a decorrer nas margens do Lago Mezzano, em Itália. 

A "rave" está a decorrer numa propriedade privada, onde se encontram mais de 8000 jovens de várias nacionalidades, numa festa que promete só terminar no dia 23 de agosto. Nem a morte de um jovem inglês, de 24 anos, parou os festejos. 

Gianluca Santiago, nascido em Londres mas com dupla nacionalidade, morreu no domingo e o corpo foi encontrado por mergulhadores no lago Mezzano.

As autoridades ainda não conseguiram acabar com a "rave" ilegal, mesmo com as altas temperaturas que se fazem sentir no local e a falta de condições de higiene.

O ajuntamento tem sido criticado por vários locais e pelo presidente da câmara de Valentano, por comprometer a segurança de toda a comunidade: "Não só pela pandemia e riscos associados, mas também pelo degradamento do ambiente que podem provocar".

Stefano Bigiotti espera ainda que os culpados pela "iniciativa vergonhosa" possam ser "identificados e julgados sem mais demoras".

O jornal La República revelou ainda que três jovens foram hospitalizadas, em coma, e que uma delas testou positivo à covid-19.

O jornal cita ainda o chefe da polícia de Viterbo, Giancarlo Sant'Elia, que explica que o despejo é impossível, porque há pessoas espalhadas por mais de 30 hectares. 

Entretanto, a zona da festa já foi cercada para impedir que mais pessoas se juntem.

/ IM