A União Europeia condenou duramente a execução de Delara Darabi, uma mulher iraniana condenada à morte por um crime que cometeu quando tinha 17 anos, informa a agência EFE. A Amnistia Internacional também já condenou o acto.

Em comunicado, a Presidência checa da UE transmitiu às autoridades iranianas o seu firme protesto por uma medida que transgride os compromissos internacionais que foram assumidos por Teerão.

Delara Darabi assumiu a culpa por um assassinato quando era menor de idade para proteger o namorado e, segundo a Presidência checa, foi executada (por enforcamento) na Prisão Central de Rasht.

A UE pediu ao Irão que retire do seu código penal a pena de morte para menores e advertiu que esse tipo de violação dos direitos humanos dificulta a manutenção de uma relação de confiança e entendimento entre o país asiático e os Estados-membros do bloco europeu.