Um erro de produção numa das fábricas que produz a vacina contra a covid-19 da Johnson & Johnson afetou 15 milhões de doses. A informação foi confirmada à agência Bloomberg por duas fontes ligadas ao processo, ainda que a farmacêutica tenha desvalorizado a situação, garantindo que vai cumprir os objetivos das próximas entregas.

O problema, que aconteceu numa fábrica da Emergent Biosolutions, que está a produzir a vacina em Baltimore, Estados Unidos, não deve mudar o objetivo de vacinação no país, que espera ter todos os adultos vacinados em maio, segundo informações do presidente, Joe Biden.

Nenhuma das doses utilizadas no país teve origem naquela fábrica, que ainda não obteve alteração da Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA).

Em comunicado, a Johnson & Johnson afirmou que o lote produzido falhou no teste de controlo de qualidade.

O controlo de qualidade identificou um lote que não cumpriu os padrões de qualidade na Emergent BioSolutions, um local que ainda não foi autorizado para produzir vacinas da Johnson & Johnson", pode ler-se na nota enviada pelo porta-voz da companhia à Bloomberg.

Adicionalmente, a farmacêutica enviou as informações à FDA, que tem agora de aprovar o reinício do fabrico naquele local.

Quanto à União Europeia, que aprovou a vacina no início de março, ainda não se sabe quais as consequências deste erro nas 200 milhões de doses previstas para entrega no segundo trimestre, que se inicia esta quinta-feira.

A subsidiária europeia da farmacêutica, a Janssen, vai enviar as primeiras doses desta vacina de toma única a 19 de abril, sendo que Portugal espera 1,25 milhões de doses nos próximos três meses.

Sendo de toma única, a vacina da Johnson & Johnson pode tornar-se fulcral no combate europeu à covid-19, que até agora contava com três vacinas de duas doses (AstraZeneca, Moderna e Pfizer).

António Guimarães