Um grupo de direitos humanos venezuelano disse, esta quinta-feira, que pelo menos quatro pessoas foram mortas em dois dias de protestos na Venezuela, após o líder da oposição, Juan Guaidó, ter apelado a um levantamento militar e popular.

O Observatório de Conflito Social disse que as mortes ocorridas nos protestos de terça-feira e quarta-feira incluem duas pessoas mortas por disparos na cidade de La Victoria e duas outras atingidas em Caracas, a capital.

Ativistas de direitos humanos citados pela agência noticiosa Associated Press (AP) acrescentaram que pelo menos 230 pessoas foram feridas e 205 detidas durante os confrontos entre apoiantes de Guaidó e as forças de segurança, leais ao regime do Presidente da Venezuela, Nicolas Maduro.

O autoproclamado Presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, desencadeou na madrugada de terça-feira um ato de força contra o regime de Nicolás Maduro em que envolveu militares e para o qual apelou à adesão popular.

O regime ripostou considerando que estava em curso uma tentativa de golpe de Estado e não houve progressos na situação, aparentemente dominada pelo regime.