Pelo menos 50 pessoas morreram e mais de 70 ficaram feridas quando tentavam roubar o combustível de um camião-cisterna na região central da Nigéria, num novo balanço divulgado esta terça-feira pelos serviços locais de segurança.

O porta-voz do Governo local do território de Gwer Esat (onde se localiza Ahumbe), Christopher Avi, afirmou ao diário local "New Telegraph" que pelo menos 50 pessoas morreram por queimaduras e mais de 70 têm ferimentos graves.

Em declarações à Efe, a porta-voz da polícia local, Catherine Anene, disse que o camião-cisterna sofreu um acidente na tarde de segunda-feira ao longo de uma estrada na vila de Ahumbe, no estado central de Benue, e a explosão que se seguiu afetou muitas pessoas que roubavam o combustível do camião.

Anene disse ainda que muita gente faleceu devido ao fogo, que "também se propagou a algumas casas próximas, enquanto roubavam o combustível". No entanto, não forneceu um número exato de vítimas, embora tenha acrescentado que era "alto".

Testemunhas disseram que o camião-cisterna sofreu o acidente quando o motorista tentou evitar uma cratera.

Este tipo de acidentes é frequente na Nigéria devido ao mau estado das infraestruturas, a antiguidade dos camiões-cisternas e a imprudência dos condutores. Em julho de 2012, pelo menos 104 pessoas morreram e 50 ficaram feridas ao tentar roubar o combustível de um caminhão-cisterna depois de um acidente em Rivers State, no sul do país.

Nigéria é o primeiro país produtor de petróleo e mais populoso de África, com cerca de 200 milhões de pessoas, importa grande parte do seu combustível porque as suas quatro refinarias produzem abaixo da sua capacidade.