As autoridades de saúde do Reino Unido confirmaram, neste sábado, que há sete mortes devido a coágulos entre as pessoas que tomaram a vacina da AstraZeneca contra a covid-19.

Entre os 30 casos reportados até 24 de março, infelizmente, há a registar a morte de sete pessoas", disse o regulador dos medicamentos no Reino Unido à agência noticiosa France-Presse (AFP)

O regulador de medicamentos do Reino Unido (MHRA, na sigla original) tinha anunciado, na sexta-feira, que até ao momento tinham sido reportados 30 casos de coágulos sanguíneos em pessoas inoculadas com a vacina anglo-sueca, produzida em parceria com a Universidade de Oxford.

Dos 30 casos reportados até 24 de março, 22 foram tromboses venosas cerebrais e 8 foram tromboses menos graves, associadas a plaquetas baixas. E as pessoas em questão receberam apenas a primeira dose da vacina. No entanto, não foram divulgadas informações sobre o género e idade das vítimas, nomeadamente se seriam mulheres com menos de 60 anos.

Ao todo, foram administradas até ao momento 18 milhões de doses da vacina da AstraZeneca: 15,8 milhões referentes à primeira dose e 2,2 milhões à segunda.

A MHRA considerou, ainda, na sexta-feira, que "o risco de ter este tipo específico de coágulo sanguíneo é muito pequeno" e que o número e a natureza destas reações adversas "não são incomuns em comparação com outros tipos de vacinas usadas regularmente", aconselhando os britânicos a não recuar perante esta vacina.

No entanto, até ao momento, estes casos não foram reportados entre pessoas que tomaram a vacina da Pfizer, a segunda vacina que está a ser distribuída em larga escala no Reino Unido, confirmou o regulador.

A vacina da AstraZeneca, que mudou de nome para Vaxzevria na União Europeia, tem estado debaixo de fogo depois de reportados vários casos de coágulos.

Mas até então não eram conhecidos problemas no Reino Unido, um dos maiores recetores desta vacina.

A Alemanha anunciou, recentemente, que iria restringir a vacinação com a AstraZeneca aos maiores de 60 anos.

Os Países Baixos foram o último país a determinar a suspensão da vacina da AstraZeneca em menores de 60 anos.

Decisões tomadas numa altura em que a Agência Europeia do Medicamento e a Organização Mundial de Saúde continuam a defender a vacinação com esta vacina.

Atualmente, estão aprovadas quatro vacinas na UE: Pfizer/BioNTech, Moderna, Vaxzevria e Janssen (grupo Johnson & Johnson).

Catarina Machado