O Comité Conjunto para Vacinação e Imunização do Reino Unido (JCVI, na sigla original) desaconselhou esta sexta-feira a vacina contra a covid-19 para jovens entre os 12 e os 15 anos. Ainda assim, uma decisão final só será tomada quando os quatro principais conselheiros do governo britânico analisarem a situação, tendo também em conta o impacto da vacinação na reabertura das escolas.

Essa decisão final vai incluir a avaliação de especialistas em saúde pública, que vão olhar para o programa de vacinação em geral.

A Agência Regulatória de Produtos de Medicina e Cuidados de Saúde (MHRA, na sigla original) aprovou as vacinas da Pfizer e da Moderna para todos os jovens com mais de 12 anos, afirmando existir segurança e eficácia no produto.

No entanto, o JCVI limita a recomendação a jovens com problemas cardíacos, pulmonares, nefrológicos, hepáticos ou condições neurológicas. Afirmando que a covid-19 apresenta um baixo risco para os jovens saudáveis, o comité determinou que o benefício é apenas parcial para aquela faixa etária.

O ministro da Saúde, Sajid Javid, afirmou que vai "considerar os conselhos dos especialistas, formados no conselho do JCVI", antes de tomar uma decisão final, que deve acontecer nos próximos dias.

As vacinas contra a covid-19 trouxeram-nos vários benefícios para o país, salvando vidas e evitando hospitalizações", acrescentou.

O Reino Unido é o país mais afetado pela covid-19 na Europa, contabilizando mais de seis milhões de casos e 133 mil mortes.

António Guimarães