A Academia Sueca decidiu adiar o Prémio Nobel da Literatura por um ano. A decisão foi divulgada após uma reunião da academia que concluiu que os escândalos financeiros e alegados abusos sexuais envolvem membros da academia sueca.

O prémio relativo a 2018 só será atribuído em 2019.

"Durante as últimas semanas, falámos com a Academia Sueca e apoiamos e decisão desta quinta-feira", escreve o presidente da Fundação Nobel, Carl-Henrik Heldin, em comunicado. 

Em novembro, após a campanha #MeToo, 18 mulheres acusaram Jean-Claude Arnault, marido de Katarina Frostenson, membro da academia, de abusos e violência sexuais. 

Apesar das alegações, na semana passada, a Academia votou contra a saída de Frostenson da organização. O advogado do dramaturgo e fotógrafo francês disse à imprensa que o seu cliente "recusa todas as acusações de atividade criminal e qualquer outra alegação feita contra ele".