Boris Johnson propôs esta quarta-feira, no parlamento britânico, que as eleições antecipadas no Reino Unido se realizem no próximo dia 15 de outubro, caso os deputados rebeldes e a oposição consigam fazer passar a legislação que impede uma saída sem acordo da União Europeia. 

O anúncio teve lugar esta manhã, no primeiro debate semanal de Boris Johnson como primeiro-ministro e depois de ter perdido a maioria parlamentar após a deserção de um deputado anti-Brexit.

Os deputados da oposição e os deputados rebeldes do Partido Conservador poderão esta terça-feira juntar votos suficientes para forçarem o governo afastar a possibilidade de um Brexit sem acordo ou obrigarem o primeiro-ministro a pedir um alargamento do prazo para a saída do Reino Unido da União Europeia. O prazo termina a 31 de outubro, estando a oposição a considerar uma extensão de mais três meses.

No parlamento, Boris Johnson sublinhou que o governo está a fazer "progressos substanciais" no processo de saída da UE e que os preparativos para uma saída sem acordo estão muito avançados, assinalando que se os rebeldes conseguirem uma vitória na votação irão apenas contribur para maior atraso e divisão.

No total, 21 deputados conservadores desafiaram o primeiro-ministro, deixando levar a debate a legislação sobre o Brexit. Se esta passar, esta quarta-feira, Johnson convocará então eleições antecipadas para 15 de outubro. "As pessoas deste país vão ter de escolher", disse logo depois de sofrer a primeira derrota no parlamento.

Esta quarta-feira, Johnson sublinhou que nunca permitirá uma lei que preveja uma extensão do prazo do Brexit, chamando-lhe "leio da rendição", argumentando que a promessa de tirar o Reino Unido da União Europeia a 31 de outubro próximo, como previsto, obrigará Bruxelas a renegociar os termos da saída. Entretanto, a Comissão Europeia já veio dizer que o risco de uma saída sem acordo é cada vez maior e avisou que nã vê alternativa aos termos previstos. 

A votação à proposta de lei para travar uma saída sem acordo acontece pelas 17:00, sendo previsível que, em caso de aprovação, se discutam em seguida as emendas, que serão votadas às 19:00. 

Ao início da noite, Boris Johnson deverá ir então ao parlamento para convocar eleições antecipadas, seguindo-se novo debate. Prevê-se que este termine já perto das 23:00, hora a que se deverá votar a possibilidade de eleições. A votação poderá ser adiada para segunda-feira se os trabalhistas apresentarem uma moção de censura.