O número de mortos por causa de fortes chuvas que atingiram o litoral do estado brasileiro de São Paulo na madrugada de terça-feira subiu para 27, segundo informações divulgadas esta quarta-feira pela Defesa Civil do estado.

As chuvas extremas que incidiram sobre a região da Baixada Santista deixaram, até ao momento, pelo menos 43 pessoas desaparecidas, nos municípios de Guarujá, Santos e São Vicente.

O número atual de desabrigados é de 228 no Guarujá, três em São Vicente, 150 em Santos e 102 na cidade de Peruíbe.

O governo do estado de São Paulo informou que foram disponibilizadas 19,5 toneladas de materiais de ajuda humanitária aos municípios e manteve equipas de buscas nos locais afetados.

O coordenador estadual de Proteção e Defesa Civil, Walter Nyakas Junior, e equipa, permanecem na região, em reuniões com o gabinete de crise, avaliando as necessidades e a atuação das equipas de salvamento.

A chuva provocou alagamentos em várias ruas nas cidades da Baixada Santista e também a interdição de parte de duas estradas.

As tempestades não prejudicam apenas o litoral de São Paulo, o estado mais rico e mais populoso do Brasil, mas também outras cidades da região sudeste do país.

Pelo menos cinco pessoas morreram no estado do Rio de Janeiro no último fim de semana e cerca de cinco mil ficaram desalojadas em áreas atingidas por temporais.

Carros foram arrastados pela corrente que invadiu as ruas, alguns bairros ficaram sem energia e várias pessoas tiveram de ser desalojadas por receios de deslizamentos de terra.

A cidade de São Paulo também foi afetada por tempestades, que pioraram desde 10 de fevereiro e provocaram pelo menos três mortos.

Outras 60 pessoas morreram devido às fortes chuvas em Belo Horizonte, a terceira maior região metropolitana do Brasil, e em outras cidades do estado de Minas Gerais.

O Ministério da Defesa Civil de Minas Gerais contabilizou, no início de fevereiro, 45.200 pessoas desalojadas das suas casas devido a inundações e deslizamentos de terra.

/ AG