A primeira mulher capitã de um navio no Egito, Marwa Elselehdar, foi surpreendida (pela negativa), no passado mês de março, com rumores na internet que davam conta de que ela era a culpada pelo incidente que envolveu o porta-contentores Ever Given, que encalhou no Canal do Suez, bloqueando uma das principais rotas de navegação do mundo.

Em entrevista à BBC, Marwa revelou-se surpreendida: "Fui falsamente acusada de bloquear o Canal de Suez", afirmou a capitã que, na altura do incidente, estava a trabalhar como primeira oficial do navio Aida IV, que navegava a centenas de quilómetros da Alexandria.

De acordo com a BBC, o navio no qual Marwa trabalha, propriedade da autoridade de segurança marítima do Egito, é responsável pelo transporte de mantimentos para um farol no Mar Vermelho. Além disso, é usado ainda para treinar militares em formação.

Marwa diz que esta não foi a primeira vez que enfrentou desafios numa indústria historicamente dominada por homens.

A capitã diz que sempre amou o mar e que foi o irmão que a inspirou a entrar para a marinha mercante. Embora a escola só aceitasse homens na altura, ela decidiu arriscar e inscreveu-se na mesma. A autorização foi dada depois de uma revisão da lei do ex-presidente do Egito, Hosni Mubarak.

Durante a sua formação, Elselehdar disse que sempre foi vítima de sexismo.

A bordo, todos eram homens mais velhos com mentalidades diferentes. Não havia pessoas com as quais eu pudesse trocar ideias", disse, citada pela BBC.

 

Foi um desafio passar por isso sozinha sem que minha saúde mental fosse afetada."

 

Na nossa sociedade, as pessoas ainda não aceitam a ideia das mulheres trabalharem no mar longe das suas famílias durante « muito tempo", acrescentou.

 

Mas quando uma pessoa faz o que ama, não precisa da aprovação de toda a gente."

 

Notícias falsas

De acordo com a BBC, os rumores sobre o papel de Marwa no incidente do Ever Given foram, em parte, alimentados por uma notícia falsa publicada num jornal árabe. 

A fotografia da capitã foi partilhada dezenas de vezes nas redes sociais, alimentando a ligação falsa ao incidente.

Lara Ferin