O enviado especial da União Africana (UA) para a covid-19 afirmou esta quinta-feira que apenas chegaram a África 10% dos 320 milhões de vacinas que a Covax tinha anunciado que chegariam à região em agosto.

Strive Masiyiwa, um milionário e filantropo do Zimbabué, que se tem empenhado no acesso da população africana às vacinas contra a covid-19, falava durante o encontro semanal, e virtual, do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), durante o qual foi anunciado uma meta “histórica” na vacinação contra a pandemia no continente.

A partir de hoje, começam a ser distribuídas na região os 400 milhões de doses de vacinas que os Estados membros da UA se comprometeram a adquirir para imunizar parte da população africana, cabendo à Covax, o mecanismo de distribuição universal e equitativa de vacinas contra a covid-19, de que beneficiam 92 países pobres, as restantes.

Strive Masiyiwa não questionou as razões que conduziram a este atraso na chegada das vacinas via covax, mas foi perentório: “Sou um homem de negócios, foco-me nos resultados. Deviam ter chegado até agora 320 milhões de doses e não chegaram”.

A meta dos 320 milhões de doses entregues em agosto foi definido pelo próprio mecanismo Covax, segundo Stive Masiyiwa.

O filantropo congratulou-se com o trabalho desenvolvido pela União Africana (UA), o qual permitiu que, a partir de hoje, se inicie o envio de vacinas adquiridas por esta organização para os seus Estados membros.

Segundo Strive Masiyiwa, o primeiro país a receber estas vacinas será o Togo e a sua distribuição no continente ocorrerá até setembro de 2022. Só em agosto serão expedidas 6,4 milhões de doses, com a Unicef a assegurar o trabalho logístico da administração das vacinas.

Foi escolhida a vacina Johnson & Johnson por ser de dose única, mais fácil e mais barata de administrar, mas também porque tem um longo prazo de validade e condições de armazenamento favoráveis.

Outro fator que pesou na escolha desta vacina foi o facto de ser parcialmente fabricada no continente africano.

No passado dia 28 de março, os Estados membros da UA assinaram um acordo (African Vaccine Acquisition Trust - AVAT) para a compra de 220 milhões de doses da vacina contra a covid-19 e a possibilidade de encomendar mais 180 milhões de doses.

Para o Presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, o país africano mais afetado pela covid-19, “este é um importante passo em frente nos esforços da África para salvaguardar a saúde e bem-estar do seu povo”.

“Ao trabalhar em conjunto e ao reunir recursos, os países africanos conseguiram assegurar milhões de doses de vacinas produzidas aqui mesmo em África. Isto dará um impulso à luta contra a covid-19 em todo o continente e lançará as bases para a recuperação social e económica de África”, disse.

Uma aquisição de vacinas desta magnitude é pioneira no continente africano e é também a primeira vez que os Estados membros da UA adquirem coletivamente vacinas para salvaguardar a saúde da população africana.

Os 400 milhões de doses de vacinas são suficientes para imunizar um terço da população africana e levar a África a meio caminho do seu objetivo continental de vacinar, pelo menos, 60% da população.

Os doadores internacionais comprometeram-se a fornecer a metade restante das doses necessárias, através da iniciativa covax.

As doses de vacinas que começam agora a ser distribuídas são produzidas nas instalações da Aspen Pharmacare, em Gqeberha, na África do Sul.

Para o diretor do África CDC, John Nkengasong, as entregas que começam agora vão ajudar o continente a atingir “os níveis de vacinação necessários para proteger as vidas e os meios de subsistência africanos”.

Nkengasong também aproveitou uma questão levantada por um jornalista durante a conferência de imprensa para esclarecer que os benefícios da vacina são muito superiores aos riscos e que a sua segurança é permanentemente monitorizada.

O acordo com a Johnson & Johnson foi possível através de uma facilidade de 2.000 milhões de dólares, proporcionada pelo African Export-Import Bank (Afreximbank), cujo presidente, Benedict Oramah, considera que vai ajudar “a conter a propagação do vírus e a proteger vidas e meios de subsistência”.

Por seu lado, a subsecretária-geral das Nações Unidas e secretária executiva da Comissão Económica das Nações Unidas para África (UNECA), Vera Songwe, classificou o momento “de orgulho para o continente”.

“As vacinas, parcialmente fabricadas na África do Sul, são uma verdadeira prova de que a produção local e as aquisições conjuntas, tal como previsto na Área de Comércio Livre Continental Africana (AfCFTA), são fundamentais para a consecução de uma recuperação económica mais sustentável pós-covid em todo o continente”, disse.

Esta aquisição e distribuição de vacinas é apoiada por uma parceria inovadora entre o Banco Mundial e a UA, através da qual o Banco Mundial apoia a iniciativa AVATT com recursos que permitem aos países comprar e distribuir vacinas para até 400 milhões de pessoas em toda a África.

O diretor executivo de operações do Banco Mundial, Axel van Trotsenburg, juntou-se às congratulações, afirmando que “o dia de hoje marca um marco importante nos esforços incansáveis da UA em trazer vacinas contra a covid-19 para África”.

Agência Lusa / MJC