Uma Investigação da Igreja Católica francesa descobriu 216.000 casos de pedofilia no seu seio, foi revelado nesta terça-feira.

Os crimes foram cometidos nos últimos 70 anos por padres e outros membros do clero.

Mas no total, incluindo pessoas não religiosas que trabalhavam para a Igreja Católica em França, foram abusadas 330 mil crianças e adolescentes

Já no domingo, o presidente da comissão nacional de investigação da criminalidade pedófila na Igreja em França, Jean-Marc Sauvé, revelou a existência de "entre 2.900 e 3.200 criminosos pedófilos" na Igreja Católica no país desde 1950, dois terços eram padres, numa antecipação ao relatório hoje apresentado à comunicação social.

Esta comissão trabalhou durante dois anos e meio, ouvindo vítimas e testemunhas, além de analisar documentos da igreja, tribunais, polícia e jornais.

As conclusões foram reunidas num relatório, com cerca de 2.500 páginas.

Estes números são mais do que preocupantes, são condenáveis e não podem de forma alguma ser ignorados", disse Jean-Marc Sauvé, explicando que a estimativa revelou que cerca de 80% são vítimas masculinas.

"As consequências são muito graves", disse Sauvé, adiantando que "cerca de 60% dos homens e mulheres que foram abusados sexualmente revelam grandes problemas na sua vida sentimental ou sexual".

Para a comissão, as conclusões do relatório revelam um fenómeno de "natureza sistémica", cuja responsabilidade a Igreja Católica deve reconhecer, assegurando "reparação" financeira para todas as vítimas.

De acordo com Sauvé, há 22 alegados crimes que ainda não prescreveram e foram encaminhados para as autoridades judiciais.

Mais de 40 casos demasiado antigos para serem processados, mas que envolvem suspeitas sobre abusadores ainda vivos, foram encaminhados para análise dentro da própria Igreja.

Igreja Católica "envergonhada" pede "perdão" a vítimas

O episcopado francês expressou hoje "vergonha" e pediu "perdão" às vítimas de crimes de pedofilia, após a divulgação do relatório.

O meu desejo neste dia é pedir o vosso perdão, o perdão de cada um de vós", disse o bispo Eric de Moulins-Beaufort, presidente da Conferência Episcopal Francesa.

Papa manifesta "profunda tristeza"

O Papa Francisco manifestou hoje a sua "profunda tristeza" pelos abusos sexuais cometidos pela Igreja Católica francesa.

O pensamento do Papa dirige-se em primeiro lugar às vítimas, com imensa dor pelas feridas e gratidão pela coragem de denunciar. Dirige-se também à Igreja da França, para que, ao tomarem consciência desta terrível realidade (...) possa empreender o caminho da redenção", declarou o porta-voz do Vaticano, Matteo Brun, aos jornalistas.

 

Catarina Machado