O Papa Francisco encontrou-se hoje com o principal líder religioso xiita, o aiatola Ali al-Sistani, em Najaf, no Iraque, um gesto considerado histórico nas relações entre o Vaticano e o Islão, sem a presença de câmaras.

Francisco foi visto entrando na modesta casa de Al Sistani, em um dos bairros humildes de Najaf, cercado por forças de segurança.

Foi o primeiro ato do dia do Papa, que, na sexta-feira, chegou ao Iraque para uma visita de três dias, tornando-se o primeiro Papa a visitar este país.

Como alguns especialistas apontaram há alguns dias, Francisco teve de respeitar o protocolo e tirar os sapatos antes de entrar no quarto de al-Sistani.

A dúvida, já que não havia imagens, é se al-Sistani, que normalmente fica sentado ao receber os visitantes, se levantou para receber Francisco, gesto que nunca teria tido.

Francisco viajou para esta cidade sagrada, cerca de 100 milhas ao sul de Bagdade, o principal centro religioso deste ramo do Islão e um destino de peregrinação para xiitas de todo o mundo.

A cidade abriga o túmulo de uma das figuras mais reverenciadas do Islão, Ali, primo e genro de Maomé e o primeiro homem a converter-se ao Islão.

A agenda papal inclui encontros com a comunidade católica, composta por 590 mil pessoas, cerca de 1,5% da população iraquiana, além de cristãos de outras Igrejas e confissões religiosas e líderes políticos.

O Papa vai passar por Bagdade, Najaf, Ur, Erbil, capital do Curdistão iraquiano, Mossul e Qaraqosh.

Aiatola diz ao Papa que cristãos deveriam viver em paz

O aiatola iraquiano Ali al-Sistani disse ao Papa Francisco, na reunião à porta fechada, que os cristãos no Iraque deveriam viver em paz e com todos os direitos.

Al-Sistani, de 90 anos, expressou ao Papa a sua "preocupação de que os cidadãos cristãos vivam, como todos os iraquianos, em segurança e paz, e com todos os seus direitos constitucionais", de acordo com um comunicado do gabinete de Al-Sistani.

O gabinete de Al-Sistani divulgou fotos do encontro entre os dois líderes religiosos, que ocorreu sem a presença da imprensa, em que Francisco, vestido de branco, e Al-Sistani, de preto, são vistos em dois sofás da modesta casa do líder xiita.

Al-Sistani enfatizou o papel que a autoridade religiosa tem desempenhado em "proteger todos aqueles que sofreram injustiças e danos nos últimos anos, especialmente durante os quais terroristas tomaram grandes áreas em várias províncias iraquianas, onde cometeram atos criminosos".

O líder xiita fez alusão ao período, entre 2014 e 2017, em que o grupo sunita jihadista Estado Islâmico (EI) ocupou grande parte do Iraque e estava prestes a chegar à capital Bagdade.

Durante este encontro, segundo o comunicado, abordaram "os grandes desafios que a humanidade enfrenta neste momento e o papel da fé" e fizeram referência específica às "injustiças, assédios económicos e deslocamentos sofridos por muitos povos” da região, “especialmente o povo palestiniano nos territórios ocupados” por Israel.

Finalmente, Al-Sistani enfatizou o "papel que os grandes líderes religiosos e espirituais devem desempenhar para conter todas essas tragédias".

No entanto, durante este encontro, não houve um documento comum como o assinado em Abu Dhabi, há dois anos, pelo Papa e pelo xeque egípcio Ahmad al-Tayyeb, Grande Imã de Al-Azhar, a maior instituição sunita, no Cairo, e que foi uma das os principais passos nas relações entre o Islão e o catolicismo.

O aiatola é uma das figuras mais poderosas do Islão e os seus decretos religiosos (fatwa) levaram muitos muçulmanos a mobilizarem-se em 2014 contra o Estado Islâmico, com a criação da Forças de Mobilização Popular, em janeiro de 2019.

Ali al-Sistani pediu ainda para investigar os "crimes hediondos" perpetrados por jihadistas sunitas contra algumas minorias na sociedade iraquiana, como os yazidis, em Sinjar, os cristãos em Mossul e os turcomanos em Tel Afar.

Primeiro-ministro do Iraque anuncia Dia Nacional da Tolerância e da Coexistência em honra do Papa

O primeiro-ministro do Iraque declarou o dia 6 de março como Dia Nacional da Tolerância e da Coexistência após o encontro do Papa Francisco com o principal clérigo xiita do Iraque e um encontro inter-religioso. 

O chefe do executivo iraquiano, Mustafa al-Kadhimi, fez a declaração no Twitter, escrevendo que o anúncio era “em celebração” dos dois eventos de hoje com o Papa, os quais foram rotulados de “históricos” pelo governante. 

. / CM