A Itália registou 7.767 contágios pelo novo coronavírus e 421 óbitos associados à doença covid-19 nas últimas 24 horas, segundo dados oficiais divulgados na véspera da reabertura das escolas em todo o país.

Depois de um mês encerradas e de um ensino realizado à distância, as escolas reabrem na quarta-feira em todo o país.

Com o registo destes novos contágios pelo novo coronavírus (SARS-Cov-2) nas últimas 24 horas, o país totaliza, até à data, 3.686.707 casos de pessoas que ficaram infetadas, de acordo com o boletim informativo do Ministério da Saúde italiano.

Os casos reportados hoje são inferiores aos notificados no dia anterior (10.600) e o país reforçou os níveis de testagem, com a realização de um total de 112.967 testes de diagnóstico, mais cerca de 10 mil testes em comparação com os dados divulgados na segunda-feira.

Com os dados divulgados hoje, o número total de mortes recenseadas no território italiano desde o início da crise pandémica, em fevereiro de 2020, situa-se agora nos 111.747, de acordo com a mesma fonte.

No que diz respeito aos recuperados, o país regista um total de 3.019.255, um aumento de 21.733 recuperações face ao dia anterior.

Existem 555.705 casos positivos de covid-19 que estão atualmente ativos em Itália, um decréscimo de 14.391 casos em relação a segunda-feira.

Dos casos positivos atualmente ativos em Itália (a grande maioria são doentes que estão nas respetivas casas com sintomas ligeiros da doença ou estão assintomáticos), 33.080 são pessoas que estão hospitalizadas (mais 558 em relação à véspera), existindo 3.743 doentes em unidades de cuidados intensivos (UCI), mais seis pacientes em comparação aos indicadores de segunda-feira.

A campanha de vacinação em Itália prossegue e já foram administradas 11.344.180 doses em todo o país, número que inclui as 3.509.838 pessoas que já receberam as duas tomas da vacina contra a covid-19.

O país composto por 20 regiões permanece “pintado” a duas cores: nove regiões estão classificadas como zonas “vermelhas”, o nível mais alto de risco de contágio e com mais restrições, e as restantes estão referenciadas como zonas “laranja” com restrições intermédias.

Em princípio, o mapa do país irá permanecer assim dividido durante todo o mês de abril, uma vez que a curva epidemiológica continua a registar níveis altos e a ocupação hospitalar permanece elevada.

Mas, várias regiões do país estão a pedir uma diminuição das restrições a partir do dia 20 deste mês.

A pandemia da doença covid-19 provocou pelo menos 2.862.002 mortos no mundo, resultantes de mais de 131,7 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus (SARS-Cov-2) detetado em dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

/ RL